quinta-feira, 1 de maio de 2014

Reflexão Sobre a Construção de um Modelo Educacional.
Autor: Miguel Felipe Gomes da Trindade


RESUMO

A reflexão da realidade faz-se necessário sempre! Essencialmente mediante crises e o clamor da população, para que haja ações urgentes de mudança do quadro presente. Certamente o modelo de educação não somente brasileiro, como vistos em boa parte da literatura consultada, atinge resultados morosos e insatisfatórios diante de padrões de nações ditas desenvolvidas. O presente artigo se estrutura a partir dos seguintes blocos temáticos: apresenta uma compreensão básica e introdutória sobre a busca por um modelo eficiente e eficaz de educação, bem como indica formas de se buscar esse modelo, entendendo suas vantagens e complicações. Alerta para modismos de modelos educacionais e critica a falta de modelos de qualidade que possam indicar um norte a ser debatido e buscado como forma de sair da inércia de nossas políticas e melhor aproveitar os recursos.

Palavras-chave: Modelo Educacional; Habilidade e Competências; Futuro da Educação.

INTRODUÇÃO
Qual o Educador, aluno ou pai, independente do tamanho de sua comunidade, que ainda não tenha se perguntado, qual seria a forma de educar mais adequado para preparar e formar o indivíduo para o pleno exercício da cidadania e para o mercado de trabalho? É uma simples pergunta que envolve toda e qualquer sociedade, mas essencial para que se possa projetá-la para um futuro de sucesso. 

Sabemos que a mudança deve acontecer como vimos em 2013, às ruas de todo pais clamando por melhorias. Contudo a grande massa não sabe como proceder diante de tanto caos, refletido no dia a dia de cada um e nas estatísticas educacionais brasileiras.

O sistema de ensino público é visto por pensadores, correntes e tendências como obsoleto e incapaz de se renovar, de forma que as críticas alimentam-se, preocupantemente, de um sentimento de crise.

Um indicativo, trazido das empresas é de que para que haja um começo, é necessário um olhar para dentro das estruturas educacionais e ter como referência o ambiente externo que pode requerer a revisão de sua contribuição para a melhoria de sua resposta para a sociedade.  É essencial que haja um norte a ser seguido, como forma de buscar em conjunto, de forma clara e objetiva, um modelo eficiente de construção do saber.

Na verdade, é preciso perguntar: Qual o modelo de Educacional deveremos buscar? E tão importante quanto: “Qual é o seu modelo de Educacional que vem sendo adotado?

Na escolha de um há um conjunto de escolhas a serem feitas pelos educadores, sobre caminhos a serem traçado para a melhor construção do saber, sobre o trabalho de gestão, como eles definem objetivos, motivações, esforços, coordenação das atividades e alocações de recursos.

Importante lembrar que escolher ou formatar um modelo é fazer escolhas. Escolhas sobre como as atividades são coordenadas pelas políticas educacionais, como são tomadas as decisões descentralizadas (em cada rincão), escolhas sobre a natureza dos objetivos que cada escola almeja e escolhas sobre como os indivíduos estão motivados para prosseguir estes objetivos.

A verdade é que não existe receita para o sucesso no desenvolvimento de um modelo de educacional, há muitas abordagens válidas e o primeiro passo é ter uma liderança comprometida (corpo docente), em atender a todas essas escolhas sendo um exemplo a ser seguido pelos demais componentes da estrutura escolar.



REFERENCIAS TEÓRICAS


No campo da administração enxergamos que as grandes soluções, idéias e inovações provem da clientela, em busca de satisfazer suas necessidades e anseios. Contudo essa comunicação ainda precisa ser mais ágil, barata e traduzida de forma segura; além do que deve ser objeto de pesquisa em tempo real, para que seja capaz de nortear as ações da gestão na busca da qualidade, no gerenciamento de recursos, geralmente escassos e na gestão de conflitos.  
            È objetivo de quem estuda Educação buscar o produto ideal, ou seja, o modelo mais eficiente na educação, capaz realmente de desenvolver as habilidades e competências do corpo discente, que em nossas instituições, tem se mostrado pouco eficiente. Estamos presos a ementas e imersos a conteúdos que não são capazes de acompanhar a evolução do mercado de trabalho, pouco se investe em aperfeiçoamento para o professor e o investimento em estrutura e tecnologia são mínimos.
            Preparar um ser para viver melhor é muito mais profundo do que apenas dotá-lo de conhecimentos em matemática, português, ciências etc, pois, mais do que o qualificar, é necessário fornecê-los mecanismos capazes de desenvolver suas habilidades e competências.

             É perceptível que embora alguns bons alunos que tenham a facilidade de se expressar bem na forma escrita, ainda possuam dificuldades de se expressar oralmente, encapsulados por seus complexos, de forma ansiosa e envolta pelo medo de errar e/ou esquecer suas explanações. A grande maioria tem dificuldades preocupantes para administrar sua vida financeira, para planejar sua careira, para gerenciar seu tempo e para transformar simples conhecimentos teóricos em práticas.

       Gerar competência é bem diferente de fornecer qualificação. Competência estar relacionada a conhecimentos, habilidades e atitudes, estando voltada para a gestão de recursos e de mudanças. Sendo assim, educar não pode define-se mais com uma simples difusão do conhecimento, para tanto é necessário administrar situações complexas de aprendizagem, visto que o colegiado deve se tornar um centro capaz de refletir sobre suas práticas, de resolver problemas, de ensinar a escolher e por fim, de elaborar estratégias pedagógicas mais eficazes.             
          Todo e qualquer modismo surge como a solução a ser objetivada para a obtenção de uma maior qualidade e aproveitamento de recursos. Cada época traz consigo os modelos de fazer ciência, de interpretar os problemas e de enxergar o mundo. Esses modelos que surgem estão ligados a aspectos políticos, sociais e econômicos da sociedade, de forma que os caminhos propostos no campo educacional não fogem à regra, pois muitos e diferentes são os encaminhamentos que vão surgindo na história da Educação em nosso país e no mundo. Dentre estas propostas é que aparecem termos como:  “interdisciplinaridade”, “construtivismo”, ‘‘educação global”, “‘currículo transversal”,“centros de interesse”, “metodologia de projeto", dentre outros.
            Muitos são os termos abordados em educação que podemos encontrar em destaque nas prateleiras das livrarias, conforme destaca  Maria do Socorro de Souza (1998:11),:
"As edições pedagógicas enchem as prateleiras de livros sobre construtivismo, interdisciplinaridade e pedagogia de projetos. (...). Nas diretrizes curriculares atuais apresentadas pelo MEC aparece: ‘Interdisciplinaridade como uma das diretrizes para uma Pedagogia de Qualidade’. Professores se dizem construtivistas e indagam aos outros se também o são. Os pais dizem que não acreditam no construtivismo. Uns chamam de método construtivista, outros dizem: ‘não é método, é teoria’. Escolas ainda anunciam que a Educação Libertadora já passou, sendo agora a vez do construtivismo. Dentro das escolas, os professores vivem a interdisciplinaridade, fazendo viagens com os alunos, nas quais vão professores de mais de uma disciplina, orientando o trabalho de geografia, história, etc. Todos estão tentando viver a interdisciplinaridade, planejando com seus colegas, falando de outros saberes em sua aula."
                                                                                                   Bem mais interessante do que tentar trazer diversos conceitos e definições sobre o que compõe esses modismos é tentar entender de que forma eles surgem. Vejamos que, a interdisciplinaridade emerge oficiosamente como forma de contrapor a fragmentação do saber que atinge a pedagogia mundial.

            Em civilizações antigas, em oposição ao saber das sociedades atuais, podemos observar que o saber se construía de forma mais global, como pontua Silvio Gallo (1994:159):
"Nas sociedades antigas, a produção do conhecimento fazia-se em respostas às necessidades de explicação de uma realidade misteriosa que era experimentada no dia a dia, espantando os nossos ancestrais e levando-os a formular questões fundamentais em torno do sentido da vida e do universo. As repostas então construídas estavam inseridas naquele contexto social e eram necessariamente globalizantes: misturavam religiosidade, engenhosidade e praticidade. Deste modo, os primeiros conhecimentos sobre o mundo construídos pelo homem não estavam dissociados, mas todos brotavam de um ponto comum e procuravam explicá-lo."
Ainda segundo Gallo, a partir da revolução industrial, mediante o acúmulo do saber, foi ocorrendo de um lado, uma especialização cada vez mais radical dos saberes e das ciências, e de outro, a perda do domínio da totalidade do conhecimento global sobre a realidade pelos indivíduos.
No entanto, ao mesmo tempo em que ocorria a fragmentação e a especialização dos múltiplos saberes, no trabalho, a produção deixava de ser autônoma e complexa nas mãos de indivíduos qualificados, passando a ser um processo de produção atomizado e desqualificado. Assim é que, tarefas que no passado requeriam certa qualificação profissional foram divididas e subdivididas em várias tarefas simples que qualquer pessoa sem formação poderia desempenhar. E, como nem todo trabalho era possível de ser realizado por pessoas sem uma qualificação profissional especializada, toda tarefa específica passou a ser realizada por especialistas. E é por esta razão que a educação da época era direcionada ao desenvolvimento de habilidades, altamente especializada, fragmentada e desconectada de um todo que poderia ser a sociedade, o corpo humano, ou um edifício.
O modelo de produção, tão pontuado nas escolas de Engenharia e Administração, proposto por Taylor e aprimorado por Ford, passou a declinar nitidamente na década de 80, quando as sociedades, principalmente que iniciavam a reconstrução da democracia, clamavam por novas necessidades de uma economia de produção mais flexível e a elevação do consumo trazia consigo, a busca por produtos diferenciados e conectados com os padrões globais de tecnologia.  Sendo assim as tarefas fragmentadas e o trabalho individualizado cedem, dando lugar ao trabalho em equipe com ênfase sobre a participação dos trabalhadores.
Essa evolução prova que a sociedade é mutante nas suas necessidades e dessa forma, a indicação de um modelo educacional comum a toda nação, poder-se-á ser um caminho perigoso, no tocante a o engessamento das formas de construção do saber. Sendo assim, trazer o melhor da contribuição de diversos autores e educadores é por si só formar um debate, indicar um caminho e democratizar o pensamento filosófico já registrado.
Se o processo de globalização exige indivíduos mais capazes de resolver problemas cada vez mais complexos, então também requer indivíduos com saberes cada vez mais globalizado. Assim sendo, nesse novo ideal de educação vê-se surgirem os conceitos como ensino globalizado, participação do aluno na construção do saber, democracia nos debates, trabalho em equipe, abrangência dos conhecimentos, autonomia para a administração do tempo e por fim, a grande bola da vez, cadeira cativa na formação pedagógica: a interdisciplinaridade.
            Um currículo interdisciplinar é um tipo de método de ensino ou plano de curso, que incorpora as contribuições de vários assuntos disciplinares em um único tópico. Funcionando de certa forma como um resgate desse conhecimento mais abrangente, proporcionando aos alunos não apenas a compreensão do tema central, mas uma profunda compreensão das relações, do contexto mais amplo do assunto e trazendo nos valores de contextualizar a informação como um meio de melhorar a compreensão.
           
            Porem nem tudo são flores, pois revendo os críticos da interdisciplinaridade, observamos a sugestões de que o método poderá levar a ignorância dos tópicos mais essenciais, pois na busca por explorar o que é importante a ser levantado dentro do assunto, possa se perder a missão crítica planejada para uma aula.
Na prática, visto o entendimento de diversos autores, a interdisciplinaridade, provem da necessidade de trocas entre os especialistas e na integração das disciplinas num mesmo projeto de pesquisa ou plano de ensino, sendo necessário refletir a fundo sobre a produção, a transmissão e a aquisição do conhecimento.
Contudo, o conceito propriamente dito, ainda como exemplo, a interdisciplinaridade, é algo ainda em construção, tratando-se de um campo de estudo ainda não solidificado. O que Ivani Fazenda (1995a:30-1) esclarece, pontuando que o termo  “interdisciplinaridade” não possui ainda um sentido único e estável e que trata-se de um neologismo cuja significação nem sempre é a mesma e cujo papel nem sempre é compreendido da mesma forma. O que nos leva a observar que são por estes motivos que as discussões e o estudo sobre o assunto ainda se encontrem presentes em destaque em vários lugares, juntamente a outros termos tão debatidos em estudos de melhoria da qualidade na educação.
Maria Clara Infante Pereira juntamente com outros autores (1991:288), em um artigo intitulado "A Interdisciplinaridade no Fazer Pedagógico", assim escreveram:
"Ela pressupõe a interação, e não simplesmente a integração de disciplinas científicas, de seus conteúdos e diretrizes, de sua metodologia, de seus procedimentos, de seus dados e da organização do ensino. Acreditamos na interdisciplinaridade como instrumento que pode contribuir para que a escola seja um lugar onde se produza coletiva e criticamente um saber novo."
Então, para a formatação de um estudo serio e comprometido, há a concordância de diversos autores da área de gestão educacional que não se é possível a adoção puramente de uma escola ou modelo por imposição ou por mero modismo, pois sua prática exige um planejamento integrado, que em geral não é tarefa simples. Para tanto, algumas questões devem ser pensadas, tais como:
1. De que modo a globalização, em toda sua corrente neoliberal, determina a forma de implementação de um modelo na educação?
2. A dificuldade da operacionalização de um modelo origina-se da necessidade de recuperação em caráter emergencial de nossa construção do saber?
3. A implementação de um currículo especifico será uma obrigação imposta pelo MEC às instituições de ensino, ou será uma exigência de mercado para que o individuo, em sua formação, tenha uma visão mais ampla das origens dos problemas e suas soluções históricas?
4. Como nossos professores poderão adentrar na transmissão do saber por uma abordagem imposta ou recomendada, se suas formações primavam por um modelo que foi transferido durante anos de docência em suas áreas de conhecimento?
5. Como sair da formula “cartesiana” de ensino, fazendo com que o aluno contribua para a produção do saber e, de forma responsável, não apenas seja um mero receptor do conhecimento?
6. Como tornar a sala de aula menos chata?
   Embora instituir o direcionamento por um modelo bem debatido seja tarefa árdua nos primeiros momentos, é sabido que “o caminho é o caminhar”, pois precisamos abrir as portas e janelas, para que a educação areje-se de conceitos evolutivos, mesmo que para isso seja necessário beber de fontes importantes do passado. Fontes essas bem justificáveis, pois é notório que boa parte dos professores brasileiros ainda não as tenham conhecido.
Dessa forma podemos trabalhar a construção de um modelo não como o fim. Sendo para tanto, necessário em primeiro lugar uma atitude, por parte do professor, uma predisposição psicológica a ser desenvolvida no aluno e entendimento por parte das instituições de ensino, da necessidade de garantir recursos como tempo, investimento e apoio destinados aos educadores, de forma que estes possam ter condições de estudo, pesquisa e preparo de um trabalho inovador, diferenciado e qualitativamente bem embasado.
Precisamos de vistas largas, de um pensamento que não se feche nem nas fronteiras do imediato, nem na ilusão de um futuro mais que perfeito. À maneira de Reinhart Koselleck (1990), interessa-nos compreender de que modo o passado está inscrito na nossa experiência actual e de que modo o futuro se insinua já na história presente.
Pensar o futuro é um exercício arriscado e, muitas vezes, fútil. Mas, apesar dos avisos, não resistimos à tentação de imaginar o que nos irá acontecer, procurando, assim, agarrar um destino que tantas vezes nos escapa. Como revela Pierre Furter.
O horizonte não existe para nos trazer de volta à origem, mas para nos permitir medir toda a distância que temos a percorrer. O homo viator constrói uma casa apenas para o tempo necessário, pois é caminhando que ele se encontra e descobre o sentido da sua ação. (Furter, 1966, p. 26)

CONSIDERAÇÕES FINAIS

            O conhecimento não é somente histórico, epistemológico, lógico, mais também dialógico. O grande caminho para evolução dos nossos sistemas de ensino é transformar esse conhecimento imposto, unilateral, incutidor de idéias, doutrinador, hierarquizado de cima para baixo, para um ensino dialético. A dialética é revolucionaria e construtora, a contradição é o berço da mudança, o berço da liberdade, o berço da transformação e ela somente se dá no dialogo. Para que possamos construir e muda o que tem que ser mudado, é preciso que a escola apenas não forme gente, mas sim os forme formando-se. Se todos já tivessem essa consciência, então educação sem desperdício de investimento e alto rendimento no desenvolvimento de habilidades e competências, para todos, já seria uma realidade.
          
              A partir do movimento pela construção de um modelo educacional de excelência, é que será possível a construção de uma visão ampliada e humanista sobre a educação, que fortalecem os princípios da não segregação, convivendo com a diversidade de opiniões, a valorização da socialização e da igualdade, fomentando a relação professor-aluno-pais e cultura escolar. Sendo também através da análise e elaboração de estratégias próprias, de cada escola e de cada professor, a partir de sua realidade, de sua formação e convicções que aglutinaremos saberes novos sobre o que é eficiente e eficaz, que irão auxiliar na construção de uma didática aperfeiçoada para trabalhos futuros.


BIBLIOGRAFIA
FAZENDA, Ivani C. A. Interdisciplinaridade: Um projeto em parceria. 3ª ed., São Paulo: Loyola 1995.
FAZENDA, Ivani C. A. Interdisciplinaridade: História, Teoria e pesquisa. 2ª ed., Campinas, SP: Papirus, 1991.
FREIRE, Paulo Reglus Neves. Pedagogia do oprimido.New York: Herder & Herder, (manuscrito em português de 1968). Publicado com Prefácio de Ernani Maria Fiori. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1970.

FREIRE, Paulo Reglus Neves . Entrevista no documentário Educadores do Brasil, Paulo Freire. (on line). Disponível: https://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=eXYpwqcXI6s,  2010.

FREIRE, Paulo Reglus Neves. Entrevista no Programa Memória Viva, TV Universitária da UFRN. Gravado 1996. Reexibido em abril de 2013.

FURTER, Pierre. Educação e vida. RJ: Editora Vozes, 1966.

GADOTTI, Moacir. Educação e poder. (Cortez, 1988), Paulo Freire: Uma bibliografia (Cortez, 1996),

GADOTTI, Moacir. Entrevista no documentário Educadores do Brasil, Paulo Freire. (on line). Disponível: https://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=eXYpwqcXI6s,  2010.

GALLO, Silvio. Educação e interdisciplinaridade. In Impulso, v. 7, n.º 16, 1994.

GALLO, Sílvio. Conhecimento, transversalidade e Educação. In Impulso, v. 10, n.º 21, 1997.
KOSELLECK, Reinhart. Le Futur passé - Contribution à la sémantique des temps historiques. Paris: Éditions de l'École des hautes études en sciences sociales, 1990.
PEREIRA, Marilú Mourão. Artigo:Inclusão Escolar: Um Desafio Entre o Ideal e o Real. http://www.portaldaeducacao.com.br/pedagoria/artigo2284.
PEREIRA, Maria C. I.; LEITE, Maria T. de M.; CAVOUR, Regina M. A. A interdisciplinaridade no fazer pedagógico. In Educação & Realidade, ano XII, n.º 39, agosto 1991..
SANTOMÉ, Jurjo T. Globalização e Interdisciplinariedade: O currículo integrado. (Trad.) Cláudia Schilling, Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
SOCORRO, Maria do. Construtivismo, interdisciplinaridade e pedagogia de projetos: Forças mobilizadoras do pedagógico? In Revista de Educação AEC, ano 27, nº 109, out./dez. 1998.

Nenhum comentário:

Postar um comentário