terça-feira, 4 de junho de 2013

Dê a quem você ama: asas para voar, raízes para voltar e motivos para ficar. Dalai Lama.
            Muito comum são os relatos de empresários que ao qualificar seus colaboradores, passam a se queixar que acabam por perdê-los para a concorrência, depois de anos de investimento em treinamento e qualificação.
           Seguindo pela lógica, vejam que os conhecimentos e a proficiência desenvolvida nos funcionários, são parte patrimonial de uma empresa e ao se perder essa força motriz, naturalmente se perde competitividade. Contudo, é natural que talentos lapidados alçarão novos vôos, até porque as pessoas são fieis ao seu próprio bolso e a sua auto estima, bem como somos “maquinas embaladas” por novos desafios.
          A humanidade ainda é muito frágil em diferenciar o lado pessoal e o profissional, de forma que os  empresários acreditam estar fazendo um favor aos funcionários quando os treinam. O ideal de pensamento seria darmos "asas para voar, raízes para voltar e motivos para ficar". para tanto é necessário investimentos e muito, mais muito mesmo, planejamento.
     O mercado já entende que só cresce se fornecer asas para voar aos nossos colaboradores, contudo ainda enxerga como um custo e poucos o vêem como investimento.

        Para consolo desses empresários é preciso dizer que se a concorrência almeja por seus colaboradores, é porque sua empresa é reconhecidamente competitiva e segue em um caminho estratégico planejado. Então é preciso estabelecer políticas capazes de motivá-los a ficar, mesmo que o salário seja inferior ao que a concorrência irá ofertar para tê-lo. É preciso lembrar que há uma via de mão dupla, onde também é possível buscar nas outras empresas gente capacitada.
          Saber melhor fazer é um patrimônio!

Cadê sua opinião. Marque aqui embaixo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário